abrir

Glossário

luz

 

Está com dúvida em relação a algum termo técnico?

Veja abaixo a definição de grande parte dos termos utilizados nas seções do site do Postalis.

Se houver algum termo não descrito, solicite a inserção através do Fale Conosco.

 

 

Entradas do Glossário

  • Abono Anual

    13ª (décima terceira) parcela anual do benefício pago em forma de renda mensal a assistido do Plano de Benefícios.

  • Ação

    Título negociável , que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. São títulos nominativos negociáveis que representam, para quem as possui, uma fração do capital social de uma empresa – sociedade anônima da qual é acionista, participando assim dos seus resultados.

  • Ação Cheia

    Ação cujos direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

  • Ação com Valor Nominal

    Ação que tem um valor impresso, estabelecida pelo estatuto da companhia que a emitiu.

  • Ação Listada em Bolsa

    Ação negociada no pregão da bolsa de valores.

  • Ação Objeto

    Valor mobiliário a que se refere uma opção.

  • Ação sem Valor Nominal

    Ação para a qual não se convenciona valor de emissão, prevalecendo o preço de mercado por ocasião do lançamento.

  • Ação-Filhote

    Designa as ações concedidas na forma de bonificação.

  • Accountability

    Termo em inglês que significa capacidade de prestar contas, e que no mercado financeiro representa a legitimidade e confiança que uma instituição financeira goza junto ao público ou aos seus acionistas.

  • Acionista

    Aquele que possui ações de uma Sociedade Anônima.

  • Acionista Majoritário

    Aquele que detém uma quantidade tal de ações com direito a voto que lhe permite manter o controle acionário de uma empresa.

  • Acionista Minoritário

    Aquele que é detentor de uma quantidade não expressiva(em termos de controle acionário) de ações com direito a voto.

  • Ações de Primeira Linha

    São ações de maior liquidez e de grande procura no mercado de ações por parte dos investidores, e são em geral, de empresas de grande porte, tradicionais e com excelente reputação. No mercado utiliza-se o termo em inglês Blue Chips para designar tais ações.

  • Ações de Segunda Linha

    São ações com liquidez menor que as de primeira linha, de empresas de boa qualidade e em geral de grande e médio porte. No mercado se utiliza-se o termo em inglês Small Caps para designar tais ações.

  • Ações de Terceira Linha

    São ações com pouca liquidez, em geral em companhias de médio e pequeno porte, porém, não necessariamente, de menor qualidade.

  • Ações em Tesouraria

    Ações que a própria empresa emissora mantém em caixa.

  • Ações Escriturais

    São aquelas que não são representadas por cautelas ou certificados, funcionando como uma conta corrente, na qual os valores serão lançados a débito ou a crédito dos acionistas, não havendo movimentação física dos documentos.

  • Ações Ordinárias

    São aquelas que proporcionam uma participação nos resultados da empresa e que conferem aos acionistas o direito de voto nas assembleias da companhia, outorgando o direito de participar da eleição da diretoria (conselho) da empresa que o emitiu.

  • Ações Preferencias

    São aquelas que permite ao acionista, no caso de dissolução da sociedade, a prioridade no recebimento dos dividendos. Essas ações não proporcionam ao acionista o direito de voto nas Assembleias.

  • Acréscimo do Passivo Atuarial

    É o valor do acréscimo do Passivo Atuarial Projetado verificado em função de alterações no plano de benefícios.

  • Acumulação de Ações

    Fase do mercado de ações caracterizada pela compra maciça das ações de determinada empresa por parte de alguns poucos investidores. Estes, depois de dominarem o mercado, põem à venda a referidas ações junto ao conjunto de investidores, fixando preços mais elevados e com isso auferindo grandes lucros.

  • Adesão

    No caso de empresa ou associação de classe, é o momento em que esta assina o Convênio de Adesão e passa a ser o patrocinador ou instituidor de um plano de benefícios.

  • Adesão de Participantes

    Ato pelo qual o empregado de um patrocinador ou um associado de um instituidor inscreve-se no Plano de Benefícios administrado por uma EFPC.

  • Administração de Riscos

    Envolve a identificação de eventos que podem gerar consequências financeiras adversas e requer a tomada de atitudes para prevenir, mitigar ou minimizar o dano causado por tais eventos.

  • Administrador Responsável

    A entidade fechada de previdência complementar deve designar administrador estatutário tecnicamente qualificado, responsável civil, criminal e administrativamente pela gestão, alocação, supervisão, controle de risco e acompanhamento dos recursos garantidores de seus planos de benefícios, bem como pela prestação de informações relativas à aplicação dos mesmos, sem prejuízo da responsabilidade solidária dos demais administradores.

  • Alavancagem

    Nível de utilização de recursos de terceiros para aumentar as possibilidades de lucro de uma empresa, aumentando, consequentemente, o grau de risco da operação.

  • Alocação de Recursos

    Expressão utilizada pelos profissionais do mercado financeiro para fazer referência quanto à escolha de ativos que comporão as carteiras. Trata-se da seleção dos ativos que serão parte integrante de uma carteira e em que quantidade.

  • Amortização

    Redução gradual do valor nominal da dívida, sem contar os juros, por meio de pagamentos periódicos combinados entre o credor e o devedor.

  • Aplicação

    Emprego de recursos na aquisição de títulos, com o objetivo de auferir rendimentos.

  • Apólice

    É uma promessa de pagamento se cumpridas determinadas condições. Entre as principais apólices estão as apólices da dívida pública e as apólices de seguro. As primeiras referem-se a um empréstimo feito por seu possuidor ao governo. As apólices de seguro são documentos nos quais a empresa emitente se compromete a pagar a pessoas ou firmas (nomeadas no próprio documento) certa importância, no caso de ocorrerem certos fatos, tais como a morte do segurado ou a perda de determinado bem.

  • Aporte Inicial

    É o valor de aporte a ser exigido do participante e/ou da patrocinadora, no momento de sua adesão, para cobertura dos encargos acumulados dos benefícios do plano para o qual o mesmo está aderindo, nos termos da nota técnica atuarial e do regulamento.

  • Aposentadoria

    Benefício concedido ao segurado por regime de previdência social e/ou pela previdência complementar, decorrente do cumprimento de condições regulamentares. Nos Fundos de Pensão, refere-se aos pagamentos mensais vitalícios, efetuados ao segurado por motivo de tempo acumulado de contribuição, idade avançada ou incapacidade para o trabalho. Suas modalidades e regras de elegibilidade devem estar previstas no regulamento dos planos de benefícios.

  • Assistido

    Participante de Plano de Benefícios, ou seu beneficiário, em gozo de benefício de prestação continuada.

  • Assistido

    Participante de Plano de Benefícios, ou seu beneficiário, em gozo de benefício de prestação continuada.

  • Ativo

    Conjunto de bens e direitos que formam o patrimônio de qualquer sujeito econômico.

  • Ativo de Entidade

    Somatório de todos os bens e direitos acumulados pela EFPC, considerando todos os Planos de Benefícios que ela administra.

  • Ativo do Plano

    Somatório de todos os bens e direitos do Plano de Benefícios.

  • Ativo Financeiro

    Todo e qualquer título representativo de parte patrimonial ou dívida.

  • Ativo Líquido dos Planos

    Ativos destinados à cobertura dos benefícios assegurados pelo plano. É aferida pela diferença entre o ativo total e as exigibilidades operacionais e contingenciais do plano e resultados a realizar. Os valores registrados como fundo assistencial, de investimento ou administrativo deverão ser igualmente subtraídos do ativo total, sendo que o fundo previdencial poderá ser deduzido ou não do ativo total em função, da sua finalidade, e desde que esteja devidamente previsto no Regulamento do plano de benefícios.

  • Atuário

    Profissional técnico especializado, com formação acadêmica em ciências atuariais. As principais áreas de atuação são: planos privados de aposentadoria, onde é responsável pela definição de custo do plano e o fluxo de recursos necessários para o equilíbrio; seguros de qualquer espécie (vida em grupo, automóvel, incêndio, etc), onde é responsável pela fixação do valor das indenizações e prêmios a serem pagos; planos de capitalização; planos de saúde, onde é responsável pelo cálculo do custo do plano e nível de cobertura aceitável; dentre outros.

  • Auditoria

    Mecanismo de avaliação independente da saúde financeira de uma empresa (ou instituição financeira), realizada por profissionais sem nenhum vínculo permanente com a empresa  (ou instituição financeira). O objetivo desse procedimento é dar maior credibilidade às informações divulgadas, bem como maior segurança para os usuários destas informações. Exame analítico da escrituração contábil de uma empresa, ou fundo, realizada de forma independente por um auditor, sem nenhum vínculo permanente com a a empresa. Quanto mais independente for o estudo, mais credibilidade ele terá no mercado.

  • Autopatrocínio

    Instituto que faculta, ao participante que sofrer perda parcial ou total de remuneração, a manutenção da sua contribuição anterior e a assunção da contribuição do patrocinador em relação à parcela reduzida, de  modo a permitir a  percepção futura de benefício nos níveis anteriormente praticados, observado o Regulamento do Plano de Benefícios.

  • Avaliação Atuarial

    Estudo técnico baseado em levantamento de dados estatísticos, no qual o atuário procura mensurar os recursos necessários à garantia dos benefícios oferecidos pelo Fundo de Pensão, bem como analisar o histórico e a evolução da entidade como um todo, de forma  a apresentar estratégias que permitam a sua adaptação aos novos cenários (estatística da população analisada, dos investimentos e da evolução dos benefícios pagos).

  • BACEN

    Banco Central do Brasil. Órgão federal que executa a política monetária do governo, administra as reservas internacionais do País e fiscaliza o Sistema Financeiro Nacional.

  • Balanço

    Demonstrativo contábil dos valores do ativo, do passivo e do patrimônio líquido de uma entidade jurídica, relativo a um exercício social completo.

  • Benchmark

    Índice ou Taxa utilizada como parâmetro na medida da perfomance de uma ação ou de um fundo de investimento

  • Benchmark

    benchmark é um índice ou indicador de desempenho que serve como parâmetro de comparação. De regra, o objetivo dos investimentos é superar o seu benchmark.  Para cada tipo de investimento, adota-se  um indicador diferente. Por exemplo, os fundos de Renda Fixa costumam ter como ponto de referência o Certificado de Depósito Interbancário (CDI). A meta desses fundos é  obter resultados iguais ou superiores à taxa do CDI.

  • Beneficiário

    Dependente do participante, ou pessoa por ele designada, inscrito no Plano de Benefícios nos termos do respectivo Regulamento, para fins de recebimento de benefícios por ele oferecidos.

  • Benefício

    Toda e qualquer prestação assegurada pelo plano de benefícios aos seus participantes e respectivos beneficiários, na forma e condições estabelecidas no regulamento.

  • Benefício Antecipado

    Benefício programado de caráter previdenciário, pago ao participante que o requerer, antes de completar as carências e condições previstas no regulamento do plano de benefícios para o benefício pleno, podendo, inclusive, sofrer redução de valor.

  • Benefício de Caráter Assistencial

    Benefício de assistência à saúde oferecido por EFPC.

  • Benefício de Caráter Previdenciário

    Benefício pago ao participante ou a seus beneficiários, com fim de amparo por infortúnio cujo fator gerador decorre, em conjunto ou separadamente, de sobrevivência, invalidez, morte, reclusão e doença do participante.

  • Benefício de Prestação Continuada

    Aqueles caracterizados por pagamentos mensais contínuos, até que alguma causa provoque sua cessação. Enquadram-se nessa categoria as aposentadorias, pensões, alguns tipos de auxílios, rendas mensais vitalícias, abonos de permanência em serviço e os salários família e maternidade.

  • Benefício de Risco

    Benefício de caráter previdenciário cuja concessão depende da ocorrência de eventos não previsíveis, como a morte , a invalidez, a doença e a reclusão.

  • Benefício Mínimo

    Valor mínimo de benefício a ser concedido de acordo com as condições estabelecidas no respectivo Regulamento do Plano de Benefícios.

  • Benefício Pleno

    Benefício de caráter previdenciário previsto no Regulamento do Plano de Benefícios, cujo cumprimento dos requisitos regulamentares para a sua percepção impede a opção do participante pelos institutos do Benefício Proporcional Diferido ou da Portabilidade.

  • Benefício Programado

    Benefício de caráter previdenciário cuja concessão decorre de eventos previsíveis, previamente planejados pelo participante, desde que estejam atendidos os requisitos previstos no Regulamento do Plano de Benefícios (condições de elegibilidade), e cujo o pagamento é realizado de forma periódica.

  • Benefício Proporcional Diferido

    Instituto que faculta ao participante, em razão da cessação do seu vínculo empregatício com o patrocinador, ou associativo com o instituidor, antes da aquisição do direito a benefício pleno programado, a interrupção de suas contribuições para o custeio de benefícios previdenciários, optar por receber, em tempo futuro, um benefício programado, quando do preenchimento dos requisitos regulamentares. Nessa hipótese o participante, classificado como remido, deixa de contribuir para o plano arcando exclusivamente com o pagamento do custeio administrativo até a data do recebimento do benefício.

  • Benefícios dos Planos

    Todos os benefícios previdenciários assegurados pelo plano aos participantes e a seus beneficiários.

  • Bolsa de Valores

    Instituição em que se negociam títulos e ações. As Bolsas de Valores são importantes nas economias de mercado por permitirem a canalização rápida  das poupanças para sua transformação em investimentos. Constituem, para os investidores, um meio prático de obter lucratividade com a compra e venda de título de ações, escolhendo os momentos adequados de baixa ou alta na cotações.

  • Cálculo Atuarial

    É o estudo técnico baseado em levantamentos de dados da população analisada, no qual o atuário busca mensurar os recursos necessários à garantia dos benefícios oferecidos pelo plano previdenciário.

  • Capitalização de Juros

    Sistema de empréstimo ou de cálculo financeiro em que os juros são periodicamente incorporados ao principal.

  • Captação

    Obtenção de recursos para aplicação a curto, médio e/ou longo prazos.

  • Carência

    Prazo mínimo estabelecido no Regulamento do Plano de Benefícios para que o participante ou beneficiário adquira direito a um ou mais benefícios ou possa optar por institutos previstos no plano.

  • Carregamento

    É o percentual incidente sobre as contribuições pagas, para atender às despesas administrativas das EFPC’s.

  • Carteira

    Conjunto dos títulos ou valores monetários que são objeto de negociação.

  • Carteira de Ações

    Conjunto de ações de diferentes empresas.

  • Carteira de Investimentos

    Conjunto de títulos ou valores monetários que são objeto de negociação.

  • Cautela

    Certificados ou títulos provisórios, também chamados de títulos múltiplos, fornecidos por sociedades anônimas a seus acionistas, que comprovam a existência de determinado número de ações.

  • CDB- Certificado de Depósito Bancário

    Título emitido por bancos de investimento e comerciais, representativo de depósito a prazo.

  • CDI- Certificado de Depósito Interbancário

    É uma espécie de Certificado de Depósito Bancário (títulos de que os bancos lançam para captar dinheiro no mercado). A sua função é transferir dinheiro de um banco para outro.

  • CMN- Conselho Monetário Nacional

    Órgão Federal responsável pela formulação da política da moeda e do crédito e pela orientação, regulamentação e controle de todas as atividades financeiras desenvolvidas no País.

  • CNPC- Conselho Nacional de Previdência Complementar

    Órgão colegiado que integra a estrutura básica do Ministério da Previdência Social cuja competência é regular o regime de previdência complementar operado pelas entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão)

  • Cobertura

    Provisão de fundos que garantam uma operação financeira; pagamento da indenização ao segurado ou aos seus beneficiários referente ao prejuízo causado pela ocorrência de um dos riscos previstos no contrato de seguro.

  • Commodity

    Termo geralmente utilizado no plural – commodities – , significa literalmente mercadoria, mas no mercado financeiro define um tipo de produto com grau pequeno de industrialização, agrícola ou mineral e de grande importância econômica por ser bastante negociado no mercado de importação e exportação.

  • Compulsório (depósito)

    As instituições financeiras são obrigadas a recolher uma parte do montante dos depósitos à vista e a prazo feito por seus clientes, que fica retida no Banco Central para evitar a multiplicação descontrolada de moeda escritural.

  • Concordata

    Recurso jurídico concedido à empresa insolvente (que não tem condições momentâneas de saldar seus compromissos nos prazos contratuais) para evitar ou suspender sua falência. Permite que a empresa continue com as suas atividades, ficando obrigada a liquidar suas dívidas dentro de um prazo estabelecido judicialmente. Distingue-se portanto da falência, quando a empresa insolvente cessa todas as suas atividades.

     

  • Contribuição

    Aporte pecuniário para custear o plano de benefícios.

  • Controle Acionário

    Posse, por um acionista ou grupo de acionistas, da maior parcela de ações, com direito a voto, de uma empresa, garantindo o poder de decisão sobre ela.

  • Controles Internos

    Processos internos executados com o objetivo de alcançar eficiência e eficácia, exatidão e integridade, confiabilidade, efetivo controle dos riscos, conformidade com leis e regulamentos, na condução das atividades da EFPC.

  • Conversão

    Mudança das características de um título. No caso de ações, pode ser sua transformação, quanto à forma (de nominativa para escritural)  ou à espécie (de ordinárias em preferenciais ou vice-versa), dependendo de liberação de assembléia geral extraordinária e do disposto no estatuto social de uma sociedade anônima.

  • CVM- Comissão de Valores Mobiliários

    Autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda para fiscalizar e disciplinar as operações ou valores mobiliários e demais assuntos inerentes ao mercado de títulos. Desta forma, a CVM disciplina o funcionamento do mercado de valores mobiliários e a atuação das partes envolvidas, como as companhias abertas, os intermediários financeiros e os investidores, além de outros cuja atividade gira em torno desse universo principal.

  • Data de Crédito do Empréstimo

    - Datas de Créditos dos Empréstimos: Previsão para pagamento dos empréstimos concedidos. Excepcionalmente, poderão ocorrer alterações das datas programadas sem prévio aviso. Os valores solicitados e concedidos para empréstimo são liberados em datas previamente agendadas. Consulte o Cronograma.

    Regulamento do Empréstimo – POSTALPREV / PBD:

    Art. 19 – A liberação do empréstimo será efetuada após o recebimento de toda a documentação prevista no artigo 3º e será efetivada através de crédito em conta corrente do participante-contratante ou, excepcionalmente, por motivo justificado e a critério do POSTALIS, sob outra forma viável, autorizada pela Diretoria Financeira do POSTALIS.

  • Debêntures

    São títulos privados emitidos por empresas quando precisam captar recursos no mercado. Quem os adquire se torna credor da empresa e recebe juros periódicos pelo empréstimo.

  • Deduções Estatutárias

    Parte dos lucros de uma empresa que, conforme determinação de seu estatuto social, não é distribuída aos acionistas.

  • Déficit Atuarial

    Corresponde à insuficiência de recursos para cobertura dos compromissos dos Planos de Benefícios. Registra a diferença negativa entre os bens e direitos (ativos) e as obrigações (passivos) apurada ao final de um período contábil.

  • Deságio

    Diferença, para menos, entre o valor nominal e o preço de compra de um título de crédito. É o desconto no preço de um título.

  • Diferimento

    Tempo de espera até a implementação de condição para fins de obtenção de benefício, sem que haja pagamento ou recebimento na forma prevista no Regulamento do Plano de Benefícios.

  • Economia de Mercado

    Sistema econômico chamado também de “economia de livre mercado” ou “economia livre”, no qual a alocação de recursos é determinada apenas pela oferta e procura e não pela interferência direta do governo.

  • EFPC

    Entidade Fechada de Previdência Complementar. As entidades fechadas de previdência complementar (fundos de pensão) são organizadas sob a forma de fundação ou sociedade civil, sem fins lucrativos e são acessíveis, exclusivamente, aos empregados de uma empresa ou grupo de empresas ou aos servidores da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, entes denominados patrocinadores ou aos associados ou membros de pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, denominadas instituidores.

     

  • Elegível

    Condição do participante ou beneficiário de Plano de Benefícios que cumpriu os requisitos necessários à obtenção de benefício oferecido pelo plano nos termos do respectivo Regulamento.

  • Equilíbrio Técnico Atuarial

    Expressão utilizada para denotar a igualdade entre o total dos recursos garantidores de um plano de benefícios, acrescido das contribuições futuras, e o total dos compromissos atuais e futuros desse plano.

  • Equivalência Atuarial

    Expressão utilizada para denotar a igualdade entre o total dos recursos garantidores de um Plano de Benefícios, acrescido das contribuições futuras, e o total dos compromisso atuais e futuros desse plano.

     

  • Fator Atuarial

    Fator calculado com base em premissas que poderão ser de natureza financeira, biométrica e demográfica, dentre outras, com o objetivo de preservar o equilíbrio entre compromissos e obrigações recíprocas, a exemplo do cálculo de contribuições, prêmios de seguro, etc.

  • Fator Previdenciário

    Consiste em uma fórmula aritmética  utilizada pelo Regime Geral de Previdência Social(INSS) para cálculo das aposentadorias por tempo de contribuição e por idade. O Coeficiente Atuarial  considera a idade da pessoa, seu tempo de serviço/contribuição e a expectativa de vida, conforme tábua completa de mortalidade  que deve ser publicada anualmente pelo IBGE, considerando a média nacional para os sexos feminino e masculino.

    O Fator Previdenciário é utilizado, de regra,  somente no cálculo do valor da aposentadoria por tempo de contribuição. Na aposentadoria por idade, a fórmula é utilizada opcionalmente, apenas quando aumentar o valor do benefício.

    O Fator é aplicado desde  1999, quando passou a vigorar a lei 9.876/98.

    Fórmula

    f = fator previdenciário
    Tc = tempo de contribuição do trabalhador
    a = alíquota de contribuição (0,31)
    Es = expectativa de sobrevida do trabalhador na data da aposentadoria
    Id = idade do trabalhador na data da aposentadoria

    Obs: Na aplicação do fator previdenciário serão somados cinco anos ao tempo de contribuição  para as mulheres.

  • Fundo Administrativo

    Aquele destinado à cobertura de despesas administrativas futuras do Plano de Benefícios.

  • Fundo Assistencial

    Aquele destinado à cobertura de despesas do plano assistencial.

  • Fundo Instituído

    Entidade fechada de previdência complementar criada por pessoa jurídica de caráter profissional, classista ou setorial, visando ao oferecimento de Plano de Benefícios aos seus associados.

  • Fundo Previdencial

    Valor definido pelo Atuário na data da avaliação atuarial com objetivo de cobertura de anti-seleção de riscos, oscilações de riscos ou mesmo para alocar recursos destinados a futuras alterações de plano de benefícios por excedentes financeiros.

  • Ganhos Atuarias

    Compreendem os efeitos das diferenças positivas entre as premissas atuariais e o que ocorreu efetivamente (ajustes advindos da experiência); e os efeitos das mudanças nas premissas atuariais.

  • Governança Corporativa

    Sistema implantado no âmbito da EFPC, que consiste na adoção de princípios, regras e práticas de governança, gestão e controles internos capazes de possibilitar o pleno cumprimento de seus objetivos

  • Grau de Risco

    O grau de risco compara o potencial de perda do ativo ou carteira em relação a um benchmark (referencial) padrão.

  • Hipóteses Atuariais

    Premissas ou hipóteses biométricas, demográficas, econômicas e financeiras utilizadas pelo atuário na elaboração da avaliação atuarial do Plano de Benefícios, adequadas as características do conjunto de participantes e ao respectivo Regulamento. Devem refletir a realidade da empresa (área de atuação, política de recursos humanos, etc), da comunidade local (cidade/país), bem como a legislação vigente e as variáveis macroeconômicas.

  • IBOVESPA

    Índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Mede o desempenho de uma carteira hipotética formada pelas ações mais negociadas na bolsa. A composição da carteira e o peso de cada papel mudam de acordo com a representatividade do mercado.

  • IGP

    Índice Geral de Preços. Existem dois tipos de IGP e ambos são calculados pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

  • Imobilizados

    Diz-se dos bens e dos direitos destinados às atividades da empresa:terrenos, edifícios, máquinas e equipamentos, veículos, móveis e utensílios, obras em andamento para uso próprio etc.

  • Impressão de Boletos (Quitações / Amortizações)

    Para evitar a cobrança e/ou pagamento em duplicidade de parcelas do empréstimo, o Postalis permite a impressão de boletos para quitação e amortização de parcelas, geralmente entre o 5º e 15º dia útil do mês. Consulte o cronograma.

    Regulamento do Empréstimo – POSTALPREV / PBD: 

    §11º – Em caso de amortização de saldo devedor de empréstimo do contrato existente,tanto para alteração de prazo como de valor, será exigido do PARTICIPANTE-CONTRATANTE,o pagamento de no mínimo o valor de 01 (uma) parcela de empréstimo. 

    §12º – O recolhimento em favor do POSTALIS do valor referente à quitação antecipada referida no parágrafo precedente será efetuado por boleto bancário ou por débito na conta corrente do participante-contratante 

    §4º – O POSTALIS tomará todas as providências cabíveis para permitir a geração e a emissão do boleto bancário previsto neste regulamento, inclusive no sitio eletrônico do Instituto na internet www.POSTALIS.org.br. 

    §5º – Não é permitido, em nenhuma hipótese, o depósito direto em conta corrente do Instituto.

  • Indexador

    Termo usado para se referir ao índice utilizado para atualização monetária de um determinado valor. Dentre os indexadores mais usados no país estão os índices de inflação, como o IGP-M, o IPCA e o IPC-FIPE.

  • Insolvência

    Estado de quem que não pode pagar suas dívidas. Uma empresa é decretada tecnicamente insolvente pelos seus credores quando não consegue arcar com o pagamento das suas contas ou dívidas nos prazos estabelecidos. Na maioria dos casos, a insolvência técnica precede a falência de uma empresa.

  • Intervenção

    Regime de administração especial que pode ser decretado pelo órgão fiscalizador ou por requerimento justificado do patrocinador, do instituidor, dos órgãos estatutários ou em conjunto pela administração da entidade quando constatada a prática de irregularidades graves ou atos que comprometam sua solvência, mediante a nomeação de um interventor, que detém plenos poderes de administração, representação e liquidação e tem por missão resguardar os direitos dos participantes e promover a recuperação da entidade.

  • Jóia

    É o custo que pode ser cobrado na adesão de novo participante quando esta incorrer em idade superior a média relativa aos parâmetros da massa atual.

  • Juros Atuariais

    Taxa de juros Atuarias.

  • Lastro

    Depósito em ouro que serve de garantia ao papel- moeda. Nas operações do mercado financeiro brasileiro, lastro são os títulos dados em garantia de uma operação de open market.

  • Liquidez do Plano

    Existência, em dado momento, de ativos realizáveis capazes de cobrir os compromissos financeiros do Plano de Benefícios em curto prazo.

  • Lucro Cessante

    Aquele que o credor deixou de obter durante o período em que o devedor não cumpriu as obrigações.

  • Lucro Líquido

    É o saldo que resulta após a dedução de imposto de renda e diversas participações sobre o Lucro Bruto.

  • Lucro Presumido

    Um dos regimes tributários existentes no Brasil no qual o imposto devido é calculado com base em um lucro que não é apurado de maneira formal, mas sim estimado com base em uma alíquota fixa sobre o faturamento da empresa. É sobre esse lucro que a empresa, então, recolhe o imposto de renda.

  • Lucro Real

    Forma de apuração do lucro da empresa para fins de cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social na qual os impostos são calculados com base no lucro efetivamente obtido pela empresa, apurado considerando-se todas as receitas, menos todos os custos e despesas, de acordo com o regulamento do Imposto de Renda.

  • Lucro Retido

    É o saldo remanescentes dos lucros líquidos os dos dividendos ainda não distribuídos e não capitalizados, mas já apropriados para constar no Patrimônio Líquido na data do Balanço.

  • Matriz de Risco

    Documento onde são registrados os riscos identificados e a avaliação de seus impactos e probabilidade de ocorrência, para os processos etapas e atividades das unidades de negócio.

  • Mercado de Ações

    Segmento do mercado de capitais, que compreende a colocação primária em mercado de ações novas emitidas pelas empresas e a negociação secundária (em bolsas de valores e no mercado de balcão) das ações já colocadas em circulação.

  • Mercado Financeiro

    É o mercado voltado para a transferência de recursos entre os agentes econômicos.

  • Mercado Futuro

    Mercado no qual são realizadas operações, envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas prefixadas.

  • Meta Atuarial

    Parâmetro mínimo desejado para o retorno de investimentos, geralmente fixado como sendo a taxa real de juros adotada na avaliação atuarial conjugada com o índice do plano.

  • Operações à Futuro

    Caracterizam-se pela negociação de ativos com liquidação financeira diária e entrega futura. O seu principal objetivo é a manutenção, a cada dia, dos valores das posições compradas e vendidas de qualquer contrato, nos níveis do mercado.

  • Parecer Atuarial

    Documento elaborado pelo atuário considerando todos os fatores relevantes para os resultados da avaliação atuarial,  devendo constar o custo do plano avaliado,  sua expectativa de evolução futura, as causas de déficit com indicação de possíveis soluções para equacionamento, causas de superávit com definição de possíveis destinações,  ocasionais mudanças de hipóteses ou métodos atuariais e sua justificativas.

  • Participante

    Pessoa física que adere ao Plano de Benefícios administrado por Entidade Fechada de Previdência Complementar

  • Participante Assistido

    Participante de plano de Benefícios, ou seu beneficiário, em gozo de benefício de prestação continuada.

  • Participante Ativo

    Pessoa física que aderiu a um plano de benefícios administrado por uma Entidade Fechada de Previdência Complementar enquanto estiver em atividade junto ao patrocinador.

  • Participante Vinculado

    O participante que optar pelo Benefício Proporciona Diferido, definido no inciso VII do artigo 3º do Regulamento do Plano PostalPrev,  permanecerá vinculado a esse plano de benefícios na condição de participante vinculado, deixando retido no Fundo o seu saldo na Conta de Participante e suspendendo suas contribuições.

  • Passivo Atuarial

    Valor atual, calculado atuarialmente, dos compromissos presentes e futuros do Plano de benefícios para com a sua massa de participantes na data da avaliação.

  • Perdas Atuarias

    Compreendem os efeitos das diferenças negativas entre as premissas atuarias e o que ocorreu efetivamente (ajustes advindos da experiência).

  • Período de Diferimento

    Período de tempo durante o qual o participante que optou pelo Benefício Proporcional Diferido aguarda o implemento dos requisitos.

  • Plano de Benefício Definido (BD)

    Modalidade de plano em que participantes e patrocinadora contribuem solidariamente para benefícios programados e de risco.  Nessa modalidade de benefício, o participante tem conhecimento prévio do valor aproximado do benefício futuro, independentemente do montante acumulado, ou seja, quando se adere ao plano,  já se sabe o valor do benefício que se receberá no futuro. De modo geral, é um plano que proporciona um benefício de complementação de aposentadoria,  na forma de renda vitalícia, cujo valor depende da média salarial e do valor do benefício pago pelo INSS.

    O equilíbrio atuarial dessa modalidade de plano é fundamentado no coletivo, em que há total solidariedade entre os participantes. Em um plano BD, o patrimônio pertence ao conjunto dos participantes, não sendo alocado em contas individuais. As contribuições são determinadas atuarialmente, de forma a garantir a concessão e manutenção dos benefícios nos níveis contratados.

  • Plano de Contribuição Definida (CD)

    Modalidade de plano cujos benefícios programados têm seu valor permanentemente ajustado ao saldo de conta do participante, inclusive na fase de percepção dos benefícios, considerando o resultado líquido de sua aplicação, os valores aportados e os benefícios pagos.

  • Plano de Contribuição Variável (CV)

    Modalidade de plano de caráter previdenciário  que apresenta uma combinação de características dos planos das modalidades Contribuição Definida e Benefício Definido. O PostalPrev é um plano de previdência complementar estruturado na modalidade de Contribuição Variável (CV). Ele reúne vantagens da Contribuição Definida (CD) na fase de acumulação de recursos e do Benefício Definido (BD) na fase de percepção dos benefícios, bem como para os benefícios de risco (auxílio-doença, invalidez, pecúlio e pensão por morte).

    Durante o período de formação de reserva, na fase ativa do trabalhador, o plano é individualizado e as contribuições vertidas pelo participante e pela patrocinadora ficam registradas no saldo de contas pessoal. Nessa fase, ainda não sabemos exatamente qual será o valor do benefício programado, tendo em vista que ele decorre de fatores como: o saldo de conta acumulado, idade do participante, composição familiar, premissas de cálculo, etc, tudo isso na data efetiva de concessão do benefício.

    Após a concessão do benefício de aposentadoria,  o plano  assume características de plano de Benefício Definido, porque o benefício será pago vitaliciamente. Nessa fase, o equilíbrio atuarial é fundamentado no coletivo, com total solidariedade entre os participantes, e o patrimônio passa a  pertencer ao conjunto dos participantes, não sendo mais alocado em contas individuais.

  • Política de Investimento

    Documento elaborado e aprovado no âmbito da EFPC, com observância da legislação e de acordo com os compromissos atuariais do Plano de Benefícios, com o intuito de definir a estratégia de alocação dos Recursos Garantidores do Plano no horizonte de no mínimo cinco anos, com revisões anuais.

  • Previdência Social

    A Previdência Social, conhecida como INSS,  é uma espécie de seguro social controlado e gerido pelo governo,  que garante a renda do contribuinte e de sua família, em casos de doença, acidente, gravidez, prisão, morte e velhice. Oferece vários benefícios que juntos garantem tranqüilidade quanto ao presente e em relação ao futuro assegurando um rendimento seguro. Para ter essa proteção, é necessário se inscrever e contribuir todos os meses.

    O recurso necessário para permitir o pagamento das rendas aos beneficiários é composto das contribuições feitas pelos trabalhadores e empresas. Não existe  formação de poupança, ou seja, aqueles que trabalham contribuem para aqueles que recebem. Esse regime financeiro é conhecido como repartição simples.

     

  • Provisão Matemática

    É o total da Reserva Matemática do Plano de Benefícios.

  • Razão Social

    É o nome devidamente registrado sob o qual uma pessoa jurídica se individualiza e exerce suas atividades. A razão social diferencia-se do nome dado a um estabelecimento ou do nome comercial com que a empresa pode ser reconhecida junto ao público.

  • Recursos Garantidores

    Parcela do Ativo destinada à cobertura dos benefícios oferecidos pelo plano. Corresponde a diferença entre Ativo do Plano e os exigíveis: operacional, financeiro, administrativo e assistencial, bem como os fundos previdencial e administrativo.

  • Regime de Capitalização

    Um regime de capitalização é um regime financeiro formatado de modo a gerar reservas por meio de sua  rentabilidade no mercado financeiro. A Capitalização é a forma como a taxa de juros incide sobre o capital inicial em vários períodos de tempo. Esse regime é muito utilizado nos segmentos de previdência e seguros pois  prevê a incorporação dos ganhos nos valores aportados.

    Nesse regime,  há a formação de uma massa de recursos, acumulada durante o período de  contribuição, para garantir a geração de receitas equivalentes ao fluxo de fundos integralmente constituídos, garantindo os benefícios iniciados após o período de acumulação dos recursos.

  • Regime Financeiro

    Método de financiamento do plano de benefícios. Os mais comuns são: Regime Financeiro de Capitalização e Regime Financeiro de Repartição.

  • Regime Próprio de Previdência Social

    Regime de Previdência, instituídos pela União, Estados, DF ou Municípios que assegure, pelo menos, as aposentadorias e pensão por morte.

  • Regras Prudenciais

    Regras determinadas pelos órgãos que controlam as instituições financeiras  para quantificação e o monitoramento de riscos.

  • Relatório Anual

    Documento dirigido anualmente aos participantes e assistidos de EFPCs. O relatório a ser disponibilizado aos participantes e assistidos deverá conter informações acerca dos planos de benefícios dos quais participam.

  • Renda Fixa

    É um tipo de investimento que tem prazo de vencimento preestabelecido e seu rendimento é conhecido no momento inicial da operação, podendo ser pré-fixada ou pós-fixada. São exemplos de renda fixa CDB (Certificado de Depósito Bancário), papéis do governo e/ou de empresas.

    • Pré-fixada: é aquela em que o rendimento e o valor do resgate do título no vencimento são conhecidos no momento da aplicação.

    • Pós-fixada: o rendimento é dado por um indexador mais uma taxa previamente determinada. Exemplo: IPC-A (indexador) mais 8% a.a.

     

  • Renda Variável

    Aplicação na qual o retorno não tem uma relação rígida com algum indicador de mercado. Depende, portanto, da evolução da cotação do ativo nos mercados organizados.

  • Renda Vitalícia

    Prestação mensal paga vitaliciamente pelo Plano de Benefícios ao assistido, considerando sua sobrevivência ou de seu grupo familiar.

  • Rendimento dos Ativos do Plano

    São os juros, dividendos, aluguéis e outras receitas, ganhos e perdas, realizados ou não, derivados dos ativos do plano, deduzidos os custos de sua administração e de todo tributo incidente sobre as receitas, sobre o resultado e sobre os próprios ativos do plano.

  • Rentabilidade

    Taxa de retorno de um investimento calculada pela razão entre o valor do acréscimo obtido e o valor inicial do investimento. Via de regra, a rentabilidade é inversamente proporcional à segurança do investimento e liquidez.

  • Repactuar

    Pactuar: decidir em pacto, ajustar, combinar (entre partes). Logo, repactuar significa pactuar novamente, recombinar, reajustar, alterar o que havia sido combinado.

  • Reserva de Contigência

    Valor constituído somente se o plano apresentar superávit. Pela legislação atual, não poderá ser superior a 25% do total das Reservas Matemáticas.

  • Reserva de Poupança

    É o montante correspondente às parcelas de contribuição dos participantes, vertidas mensalmente ao plano de benefícios.

  • Reserva Matemática

    Montante calculado em uma determinada data, correspondente aos encargos acumulados, destinados ao pagamento futuro de benefícios considerando o regulamento  do plano e o plano de custeio em vigor. Esse montante corresponde à diferença entre o valor atual das obrigações com os benefícios do plano e o valor atual dos direitos de contribuições futuras destinadas à cobertura destes mesmos benefícios.

  • Reservas Técnicas

    São as Reservas Matemáticas, incluindo o superávit/déficit existente no plano.

  • Resgate

    Instituto pelo qual o participante, após a cessação do seu vínculo empregatício com o patrocinador , ou com o instituidor, e antes da aquisição de direito a benefício pleno, desliga-se do Plano de Benefícios, optando por receber de volta no mínimo o valor atualizado de suas contribuições pessoais vertidas ao Plano, descontadas as parcelas de custeio administrativo e dos benefícios de risco.

  • Resultado do Exercício Futuro

    Compreendem as receitas recebidas antecipadamente que, de acordo com o regime de competência, pertencem ao exercício futuro.

  • Risco de Mercado

    Risco de que o valor de um instrumento financeiro ou de uma carteira de instrumentos financeiros se altere, em função da volatilidade das variáveis existentes no mercado, causada por fatores adversos, políticos ou outros.

  • Risco Iminente

    Encargo referente ao participante ativo de um plano de benefícios que já atingiu as condições para a aposentadoria programada, mas ainda não requereu o pedido do benefício.

  • Salário de Participação

    Base para o cálculo da contribuição a ser vertida para o plano de benefícios. As parcelas incluídas no salário de participação são definidas no respectivo regulamento.

  • Saldo Projetado

    O Saldo Projetado é a diferença, trazida a valor presente,  entre o que o participante já contribuiu para o plano no momento em que solicita o benefício de risco (aposentadoria por invalidez ou pensão por morte) e o que teria contribuído caso tivesse permanecido no plano até os 58 anos.

  • Securitização

    Operação que, na prática, significa trocar uma dívida por outra. Muito usada por países com dívidas externas, consiste na emissão de títulos em valor correspondente ao da dívida que está para vencer. Esses papéis são lançados no mercado e quem os compra terá a garantia de receber em longo ou médio prazo seu dinheiro de volta corrigido com uma taxa de juros vantajosa.

  • Simulação de Empréstimo

    - Simulação e Efetivação: O participante e/ou assistido poderá realizar a simulação e a solicitação de seu empréstimo através do aplicativo Postalis Online. A concessão do empréstimo dar-se-á mediante a efetivação por meio de sua assinatura eletrônica (senha) ou de atendimento presencial nos Núcleos Regionais, mediante a entrega da documentação exigida, para isto, devendo agendar seu atendimento.

    A simulação e a solicitação de concessão de empréstimos ocorrem por volta do 5º dia útil de cada mês. Consulte o Cronograma.

    Regulamento do Empréstimo – POSTALPREV / PBD:

    Art.24-O POSTALIS deverá disponibilizar, via internet, aplicativo computadorizado que permita a elaboração de cálculos e simulações, pelo participante-contratante, do valor do empréstimo e do prazo de amortização.

    Parágrafo Único – Para ser utilizado, o aplicativo computadorizado previsto no caput deste artigo deverá prever o cadastramento de uma senha pessoal e intransferível para o participante-contratante, que lhe permitirá o acesso às informações disponíveis, assim como ao formulário de solicitação de empréstimo.

     

  • SINDAPP

    Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

  • Solvência

    Capacidade de cumprir os compromissos com os recursos que constituem seu patrimônio ou seu ativo.

  • Suplementação

    Benefício de renda continuada paga ao assistido, conforme estabelecido no Plano de Benefícios administrado por uma EFPC.

  • Suspensão de Parcelas

    Os valores solicitados e concedidos para empréstimo são liberados em datas específicas ao longo do mês de solicitação. Consulte o Cronograma.

    Regulamento do Empréstimo

    PBD:

    CAPÍTULO VI DA SUSPENSÃO DE PAGAMENTO

    Art. 15 – Após o pagamento de 12 (doze) prestações, contadas da data da concessão original do empréstimo, o participante ou assistido, devidamente adimplente no Plano, poderá requerer a suspensão dos pagamentos de prestações por 02 (dois) meses consecutivos, sem que isso implique em inadimplemento.

     PostalPrev 

    Art. 15 – Após o pagamento de 12 (doze) prestações, contadas da data da concessão original do empréstimo, o participante ou assistido, devidamente adimplente no plano, poderá requerer a suspensão dos pagamentos de prestações por 02 (dois) ou 4 (quatro) meses consecutivos, a sua escolha, sem que isso implique em inadimplemento.

  • Taxa Selic

    É a taxa que reflete o custo do dinheiro para empréstimos bancários, com base na remuneração dos títulos públicos. Também é conhecida como taxa média do over que regula diariamente as operações interbancárias.

  • Títulos da Dívida Externa

    O Governo Federal visando obter dinheiro no exterior para financiar sua operação, pode vender títulos da dívida externa a investidores estrangeiros que emprestam seu dinheiro em troca de uma taxa de juros definida. O IDU (interest due unpaid) é um exemplo de um título da dívida externa.

  • Títulos Públicos

    O Governo Federal emite títulos com a finalidade de captar recursos para financiar atividades operacionais, como educação, saúde, etc. Esses são os chamados Títulos da Dívida Pública. Os emissores desses títulos são o Banco Central do Brasil e o Tesouro Nacional. Os títulos públicos podem ser pré-fixados ou pós-fixados. Os títulos públicos mais negociados são as Notas do Tesouro Nacional (NTN), as Letras do Tesouro Nacional (LTN) e as Letras Financeiras do Tesouro (LFT).

  • Valor de Mercado do Patrimônio

    Valor que o plano deveria receber por uma “venda” justa do seu patrimônio na data da avaliação.

  • Valor Futuro

    Valor do título ou valor mobiliário de uma data futura, obtido a partir do exercício de capitalização.

  • Volatividade

    Indica o grau médio de variação das cotações de um título em um determinado período.